quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O leite da vida


"Honra teu pai e tua mãe,
E eu lhe darei vida longa".
É o único mandamento
Livre de qualquer milonga,
Que dá o prêmio em vida!
A própria vida prolonga.

Engano
Tem muita gente com anorexia, fatorexia e outras dislexias religiosa! Pessoas que acreditam sinceramente que estão cumprindo a risca esse mandamento. Passam horas em suas orações, outras horas ajoelhadas dentro das igrejas. Retornam aos seus travesseiros se sentindo cumpridoras das leis Divinas. A mente nos engana? Ou somos nós, que enganamos a nós? Eu engano a mim mesmo, e as outras pessoas, mas alguém enganaria a Deus? Todos sabem que Deus sabe tudo, pois não se admite Deus, sem onisciência.

Quantidade versus qualidade
Ter muitos filhos não é garantia de nada, para os pais. As vezes um só filho, vale por dez filhos. Um só filho pode honrar os próprios pais, e ainda se estender aos pais dos outros. Sempre que alguém nos fala a verdade, nua e crua, parece-nos carregado de arrogância. Eu sou arrogante. Sou tudo o que todos podem ser. Não sou santo, graças a Deus! Sou até ateu, graças a Deus. Não honrei os meus pais como devia. Sou humano. Também sou desumano, é obvio! Somente um humano pode ser desumano.

A bandeira Deus
Deus é usado como bandeira para tudo nesse mundo. E o mundo fica cada dia pior! Mas isso não tem nada a ver com Deus. Cada autor é responsável pelo seu enredo. Vamos ter que conviver com a nossa própria história, da qual somos os escritores. Não darei nem uma desculpa quando tiver na frente do Homem! Eu não serei burro de subestimá-lo!

A culpa não é de ninguém?
Eva pôs a culpa na serpente. Adão pôs a culpa em Eva. A serpente não era gente. Ninguém era culpado? Mas Deus, onisciente, os expulsou do paraíso com as suas desculpas deslavadas.

A natureza
O escorpião convenceu a tartaruga que não a picaria em seu pescoço se ela o atravessasse para a outra margem do rio. Lógica simples: “Se eu lhe pico, você morre e se você morre eu morro afogado”. Mas no meio do rio, ele picou. “Morro, mas não posso vencer a minha natureza”. É difícil...quase impossível vencer a natureza material. Na verdade é vencer a compunção material. Medo da sobrevivência. Falta de fé, para quem se diz ter? Eu não tenho fé, graças a Deus. Falta de coerência para quem não tem fé ou má índole para quem tem conhecimento?

O paraíso
O paraíso é aqui, para quem está com saúde e feliz. O momento mais importante na nossa vida é agora. A pessoa mais importante é a que está do nosso lado. A essência da vida é tornar essa pessoa feliz. Isso forma o paraíso.

O inferno?
O inferno é o corpo físico. Você é o espirito dentro dele. É você quem pensa lá dentro e o controla. É você quem sente o frio, calor, as picadas, as dores, a angustia, o medo da morte ilusória, o medo de ser assado e sapecado pelo fogo... Tem inferno mais cruel que esse? Não é assim a visão imaginária do inferno? Estamos no inferno desde o nosso nascimento. E o mais irônico? Por livre e espontânea vontade. O inferno é o purgatório físico. A cruz física. O único caminho do retorno. Cristo disse? Ou não. Relaxe e tire proveito. Fora dele, não haverá lugar pior.

O medo é maior que a fé?
Não posso entender porque alguém se ajoelha, chora e clama a Deus, e depois tem medo de passar fome, de perder a moradia, de virar mendigo... se agarram, desesperadamente, as merrecas materiais como se elas fossem deuses salvadores, mais reais que o próprio Deus! Se esquecem que uma simples pinta preta na face, oriunda do raio ultra violeta, pode ser tão poderosa que não haverá quantidade de merrecas materiais que poderá vencê-la. Essas pessoas se violentam por não dar o devido uso, ao que é material. Por não usá-lo em prol do que acreditam. Se não acredita na proteção Divina, por que mudar toda a sua vida se consagrando a Deus? Alívio de consciência?

Tudo tem seu preço
Sei o que eu devia ter feito. Sei o que sou, mas sei, também, o que não devia ter feito. A negligência tem preço. Sou consciente disso. Assumo, mas isso, não muda nada. O leite derramado, se evapora no verão, e chega o inverno frio e sem leite.

A fonte do leite
O leite! Estamos vivos para ganhar essas merrecas materiais e sem vida, justamente porque bebemos o leite nas tetas da fonte. E a fonte? Lembra do mandamento que paga em vida? Estamos cuidando dela melhor do que cuidamos de nós? Melhor do que cuidamos dos nossos filhos? Eles também - os nosso filhos - existem, porque nós bebemos aquele leitinho da vida na fonte. A fonte é imutável. Não se atreva a tentar mudar uma fonte. Ela para de jorrar. A fonte nasce onde nasce e permanece. Ame-a ou deixe-a! Proteja a sua nascente, mas, mudá-la? Jamais!

O enredo
É muito triste quando, um dia bem longínquo, você toma consciência da verdadeira realidade do enredo. Ou melhor, do enredo que você devia ter escrito e não escreveu.

A família
Família é uma coisa que a gente só descobre que é essencial na vida, quando não a tem mais.

O epílogo?
Somos obrigado a fechá-lo com um final condizente com o enredo, que você não escreveu como devia. Um enredo escrito sem a necessária pré-revisão. É o final é com lágrimas que descem abrindo caminhos entre a neve de um inverno cruel e melancólico.

Josué

Minha lista de blogs preferidos