quinta-feira, 20 de julho de 2017

Estudando o Cordel Brasileiro - Aderaldo Luciano


As tentativas de estudar o cordel brasileiro não levaram em conta o seu caráter poético e, quando tentaram considerá-lo, uniram-se ao contraditório por não classificá-lo como se deveria classificar qualquer peça poética, parte do todo literário universal. Isso se daria (e se deu quando destinei-me à observação sistematizada) com o estudo à luz dos gêneros literários, orientando os estudos pela conclusão, a partir da observação, segundo a qual o cordel brasileiro é uma forma poética fixa da poesia universal. A forma fixa do cordel se dá pela exigência do cumprimento de suas regras intrínsecas e definitivas. Essas regras fizeram-no distanciar-se do malogrado conceito de "literatura de cordel", ligado ao que se fazia e se fez em Portugal, aos pliegos sueltos e coplas de Espanha, à colportage francesa, aos chapbooks britânicos. O cordel brasileiro é forma genuinamente brasileira por ter, em primeiro lugar, criado a forma poética fixa (com um mínimo de estrofes, sejam sextilhas, septilhas ou décimas; nunca em quadras, nem em prosa; a utilização majoritária do verso setissilábico; a observação da rima, disposta seguindo os pioneiros) e, para além da forma fixa, ter criado também o sistema literário cordelístico, pautado pela indicação de Antonio Candido (aquela que diz, em seu Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos: o sistema literário é formado pela presença de um autor, de um editor, de um leitor. Acrescentei ousadamente, com imenso receio de ser mal-entendido, mas precisava correr o risco: o crítico). Alguns pesquisadores quiseram estudar o cordel e o fizeram, até sistematicamente, mas desconsideraram os tópicos que citei. Poetas também resolveram metalinguisticamente falar sobre cordel. Seguem-se quatro expoentes, mestres, que o fizeram:

Manoel Monteiro, pernambucano de Bezerros, escreve e publica em 2011, com as bençãos da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, o folheto Aula De Cordel - Uma Herança Portuguesa. Pelo próprio título, o curioso pela arte cordelística é levado a duas constatações óbvias, mas que precisam ser levadas a sério: Manoel não trata nossa poesia como "literatura de cordel", mas como cordel, entretanto deixa um cordão umbilical com o que se produziu em Portugal no séc. XVIII. O poeta é dos mais lúcidos que pude encontrar, estudioso, conhecedor do ofício, produção longa e bem cuidada. Na primeira septilha o seu narrador nos alerta para algo que muitos deixam de lado por quererem abraçar a nomenclatura recebida pelo brasilianista Raymond Cantel (literatura de cordel). Ele nos alerta para a certeza de que nosso poema já foi chamado de Romance, Verso, Estória, Folhetim, Folheto, Livreto e Livro, mas que hoje é conhecido apenas por Cordel. A seguir, faz uma verdadeira aula de poética do cordel, escrutinando os detalhes da produção. Disseca as estrofes, mostra as rimas, conta os versos, sempre alertando para o rigor da construção. Não trata do processo histórico do cordel ou de outra característica extrínseca, parte diretamente para o texto. Uma ótima introdução ao fazer poético, não só para o cordel, mas para elementos da poesia brasileira. Manoel Monteiro prestou importantes serviço para o cordel brasileiro. Faleceu em Belém do Pará, em junho de 2014.

Azulão, codinome de José João dos Santos, paraibano de Sapé, radicou-se no Rio de Janeiro na primeira metade do séc. XX e, de lá, irradiou sua produção cordelística. Um de seus clássicos, O Trem Da Madrugada, é um importante retrato das relações humanas com a tecnologia ferroviária na cidade do Rio. Um verdadeiro tratado social sobre os tipos e costumes cariocas na década de 80. Mas aqui nos referiremos ao trabalho O Que É Literatura De Cordel?. Diferente de Manoel Monteiro, Azulão centrou-se no termo português, trazendo-o à nossa poética genuína. Nas 17 estrofes iniciais, encontramos elementos para entender a importância do poeta no seio de sua comunidade. A partir dessa importância individual, a importância de sua produção poética. Trata da presença do cordel e do repente, de sua aceitação pelo interior do Nordeste, de sua presença nas feiras livres e cantorias, do diálogo presente entre o rural e o urbano, da migração do poeta do primeiro para o segundo espaço, das festas (batizados, casamentos, vaquejadas) e da possibilidade de adentrar nas escolas. A partir da estrofe 19, Azulão e seu narrador, como muitos pesquisadores, apresentam o quadro de herança de portugueses e espanhóis, caindo no equívoco ao afirmar que havia um sistema literário no qual os poetas escreviam e publicavam na forma de folheto e chamavam a essa produção de literatura popular e de cordel. Essa nomenclatura foi dada pelos estudiosos e mais precisamente por Teófilo Braga. Não houve o sistema. E não se encontram naquela produção elementos que os assemelham às características intrínsecas do cordel brasileiro. Ficando a semelhança apenas no aspecto gráfico. No folheto, portanto, não se encontra a análise, a apresentação da peça poética, mas os aspectos históricos (sem datação). Azulão nos deixou em abril de 2016.

Antonio Américo de Medeiros, potiguar de São João do Sabugi, radicou-se em Patos, na Paraíba. No sertão paraibano forjou toda sua intervenção na cultura poética brasileira. É o poeta da Cruz da Menina, da Moça Que Mais Sofreu na Paraíba do Norte. Cantador, repentista, folheteiro, escreveu Os Mestres Da Literatura De Cordel. Nesse folheto o poeta nos apresenta os pais do cordel, segundo ele, quais sejam, Silvino Pirauá e Leandro Gomes de Barros. Também nos aponta o local de nascimento do cordel brasileiro: entre Vitória de Santo Antão e o Recife. Nos diz ainda que Pirauá vai se encaminhando mais para a cantoria, com Zé Duda, e que Leandro abraça a tipografia. Fazendo jus ao título, Antonio Américo desfia toda a genealogia do cordel, trazendo a nós poetas já esquecidos, cujas obras, apesar de importantes para a consolidação da arte, foram abandonadas dos estudos e pesquisas. Até a estrofe 18 lista a importância desses poetas da primeira geração, Princesa. A partir da estrofe 19, inaugurada com a morte de Leandro em 1918, traça o mapa da herança, primeiro a João Martins de Ataíde, depois a José Bernardo, que transporta todo o material que fora de Leandro e de Ataíde para o Juazeiro do Pe. Cícero, onde reinou até 1966. Daí, Antônio Américo, olha para Manoel Camilo e sua Estrela da Poesia em Campina Grande, João José, da Luzeiro do Norte. Da derrocada dessas editoras e editores de cordel, Américo lista os principais cordelistas da segunda geração: Camelo, Pacheco, Sena. Entra na contemporaneidade e nos oferece um banquete de nomes e datas e obras. Américo faleceu em Patos em janeiro de 2014. Legou-nos vasto universo de poesia e ensinamento.

Pedro Costa, piauiense de Alto Longá, criou a revista De Repente, dedicada à poesia de cordel e ao repente nordestino. Radicado em Teresina teve papel protagonista na divulgação e consolidação do cordel e do repente no Brasil. Pedro conseguiu o diálogo entre os poetas do povo e as elites culturais piauienses, abrindo a janela para a tomada de territórios inéditos ao cordel. Escreve o folheto O Que é Cordel (E Seus Mestres) para ilustrar e servir de roteiro para suas incontáveis oficinas e palestras, cursos e recitais. Retoma, no título, o termo "cordel", mas já na terceira estrofe procura o embrião europeu citando as origens nos centros de Portugal, Espanha e França. Um pouco mais à frente cobra um olhar diferente para o cordel afirmando que "cordel é literatura", logo abaixo, contraditoriamente, diz que cordel é barbante e prega a inoportunidade do termo ao produto cordelístico pedindo que se chame de folheto e não de cordel. A proposição fica vaga porque o termo folheto se emprega ao produto gráfico e não ao conteúdo poético. Observe o leitor que fiz uma gradação: de Manoel Monteiro que era poeta de bancada a Azulão, cantador e de bancada, com ênfase na bancada, depois Antonio Américo, cantador e cordelista, com ênfase na cantoria e Pedro Costa, a síntese mais assentada. Por isso, na estrofe 11, Pedro constrói a divisão dos tipos de poetas do sertão: o aboiador, o escritor, o embolador e o repentista. Fica na citação, não desfia suas ações, seus ofícios, o que os distingue. A partir daí segue a listagem de poetas, sem data de suas aparições. Na penúltima sextilha cita os trabalho de Geová Sobreira e Gilmar de Carvalho para corroborar seu bom trânsito com o pensamento acadêmico. Pedro Costa faleceu aos 54 anos em abril de 2017.

Esses quatro folhetos citados nos ofertam um pouco do olhar dos poetas sobre suas próprias produções e sobre o cordel brasileiro: Manoel Monteiro centrado nos elementos formais, Azulão nos aspectos históricos e sociológicos, Antonio Américo no percurso histórico e genealógico, Pedro Costa na classificação dos tipos de poetas e na busca pela literariedade do cordel. A próxima matéria vai se debruçar sobre o que escreveram metalinguisticamente poetas em atuação.


Aderaldo Luciano


Doutor e mestre em Ciência da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, pesquisador do CNPq, inscrito nos Grupos de Trabalho Caminhos da violência em busca da visão compartilhada e Palavra Fora do Eixo. Ligado ao Centro Internacional e Multidisciplinar de Estudos do Épico da Universidade Federal de Sergipe, estudando os conceitos fundamentais da poética do nordeste brasileiro. Autor dos livros Apontamentos para uma história crítica do cordel brasileiro (Editora Luzeiro/Edições Adaga, 2012, teoria), O Auto de Zé Limeira (Confraria do Vento, 2008, poesia). Co-autor em Violência simbólica e estratégias de dominação: produção poética de autoria feminina em dois tempos (Editora da Palavra, 2010, ensaios) e Quem Conta um Conto – Estudos Sobre Contistas Brasileiras Estreantes Nos Anos 90 e 2000 (Tempo Brasileiro, 2009, ensaios) ambos organizados pela professora Dra. Helena Parente Cunha.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Macunaima em cordel de Mário de Andrade por Josué Gonçalves de Araujo


Setenta anos sem Mário de Andrade
Por: Josué Gonçalves de Araújo

Mario de Andrade nasceu
No ano noventa e três,
Fim do século dezenove.
Repleto de altivez,
Foi “um escritor difícil”,
Brilhando na “escuridez”.

Aos dez anos de idade
Fez um poema-canção,
Mas a mãe fez um muxoxo
Contra a sua inspiração.
Isso não atenuou
Seu ânimo na vocação.

A torre da velha era,
Mário não a implodiu,
Contudo, outra imponente,
Sobre os ombros, erigiu:
As bases do modernismo
Que a Pauliceia aplaudiu.

“Meu São Paulo da garoa”,
Mário é verbo intransitivo,
Completo sem complemento,
Futurista, intuitivo.
Pauliceia Desvairada
É obra desse inventivo!

As obras falam por si:
Moda: “Viola quebrada”
Livro: “Lira Paulistana”.
Sua obra consagrada,
“Macunaíma”, o herói,
Nas telas, foi projetada.

Nos versos do Futurista,
Poeta Mário de Andrade:
“Ver arte contando história,"
“São glórias desta cidade. ”
Quando um povo não tem glória,
Arte é celebridade!


Carente de ser amado,
Impunha-se combativo.
Intelectualmente, o Mário
Foi um ser hiperativo:
Sua alma, sua arte,
Polêmico e criativo.

Vinte e cinco, nesse dia,
No verão em fevereiro
Do ano quarenta e cinco,
Nós perdemos o guerreiro:
O Alfa do modernismo
No Brasil do brasileiro.

Da nossa literatura,
Alguém disse uma verdade:
Morte semelhante a essa,
Íntegra em acuidade,
Só de Machado de Assis,
Pleno em genialidade.

O Poeta é inserido
Pela arte do destino
Que a vida lhe atribui,
Na idade de menino.
Se a poesia o escolhe
É arranjo do divino.

Setenta anos sem Mário,
O poeta modernista,
As saúvas majoraram,
Sem o carão do romancista!
Também, verso, rima e métrica,
Tem se ampliado na lista.

Meu poeta futurista,
Símbolo da modernidade,
Tarsila era integrante
Do seu ciclo de amizade.
Junto com Manuel Bandeira
E o rebelde Oswald de Andrade.

Oxalá, que a Pauliceia,
Mais outro Paulista invente
Com verve igual a de Mário
E espírito eloquente,
Que nos livre do marasmo,
Renovando o presente!

domingo, 11 de setembro de 2016

Macunaíma – o herói sem nenhum caráter, em Cordel. Cordelista: Josué G. de Araújo


Para homenagear Mário Andrade, cuja morte completou 70 anos o ano passado, o poeta cordelista Josué Gonçalves de Araújo adaptou para o cordel a obra “Macunaíma – o herói sem nenhum caráter”, uma das mais conhecidas obras do também autor de “Pauliceia Desvairada”, e um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna, de 1922. Josué o fez a propósito de atender o convite da professora Sueli Gonçalves – da Rede Municipal de Ensino -, criadora da APL – Academia Estudantil de Letras, que atua dentro da Academia Paulista de Letras.
A obra de Mário de Andrade vertida para o cordel no ano passado, e que foi publicada pela Editora Areia Dourada, terá lançamento oficial na Oficina Cultural Casa de Mário de Andrade, em 1º de outubro, com palestra sobre Cordelismo e apresentações musicais. Entre a palestra e a sessão de autógrafos haverá um momento de declamação e música, com a participação dos poetas Varneci Nascimento, Cleusa Santo e Carlos Moura.
Na apresentação da obra de Josué Araújo, o escritor e sociólogo Nando Poeta lembra que em suas viagens Brasil afora, para melhor conhecer a cultura de nosso povo, Mário de Andrade esteve no nordeste e se encantou com a vida simples e com o que se produzia artisticamente na região. Ali encantou-se com o cordel, a cantoria e, mesmo, com o cangaceirismo.
“De imediato,a cabeça do idealizador da Pauliceia Desvairada, interagiu com aquela realidade. E ele se dispôs a abrir a sua criação literária deixando-a se influenciar pela produção artística que expressava de forma singular a realidade do povo, as raízes da cultura nordestina”, depreende Nando Poeta do cordel de Josué, que incumbiu-se apresentar:
Nos versos do Futurista,
Poeta Mário de Andrade:
“Ver arte contando história,”
“São glórias desta cidade.”
Quando um povo não tem glória,
Arte é celebridade!
As obras falam por si:
Moda: “Viola quebrada”
Livro: “Lira Paulistana”
Sua obra consagrada,
“Macunaíma, o herói,
Nas telas foi projetada.
Era ainda os anos 1920 e nos ciclos eruditos o cordel era visto como uma literatura de pouco valor, por não agregar o lírico, mas Mário a enxergou diferente. “Para ele foi uma verdadeira descoberta.
Viu no cordel, um gênero literário e passou a beber nessa fonte. Na sua obra O Baile das Quatro Artes publicou um capítulo ‘Romanceiro de Lampião’ retratando o período do cangaceirismo e, o que foi mais sublime, reproduziu trechos da poesia de cordel, que ele retirou dos folhetos coletados durante a viagem, explicando aquele fenômeno histórico, tão desconhecido da maioria da população brasileira”, assim continua Nando Poeta, na apresentação.
Defende o apresentante de Macunaíma em cordel, que Mário de Andrade inspirou-se em um dos folhetos clássicos do cordel brasileiro, de autoria do paraibano Leandro Gomes de Barros, um dos pioneiros desse gênero. “O cordel satírico A Vida de Cancão de Fogo e o seu Testamento foi a fonte em que Mário de Andrade bebeu para construir o protagonista de seu clássico Macunaíma” assegura o escritor apresentante.
O nome Macunaíma,
Ima – “grande”, maku – “mau”,
Bom e mau, covarde e bravo…
Um elemento dual:
Sendo incapaz e capaz,
Faz o bem e faz o mal.
Sobre o autor
Nasceu em 16/11/1950 na cidade de Marabá Paulista – “Pontal do Paranapanema” (SP) -, mas viveu toda a infância e a juventude na cidade vizinha: Mirante do Paranapanema. Aos 18 anos migrou para São Paulo. Foi bancário e atualmente, além de escritor, é diagramador de textos para a Editora Luzeiro e Magazine Gibi. A Editora Luzeiro publicou vários livros de cordel de sua autoria:
O coronel avarento ou o homem que a terra recusouO mistério da pele da novilhaO gato de botasOs dez mandamentosApagando as pegadas em CordelO carroceiro e o burro, o burro esperto e o cavalo burroAs cabaças do Akpalô, e O país Kastoriano contra o império da terra do fogo.
O autor foi premiado no concurso nacional “Mais literatura de Cordel edição 2010” – Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura, com a recriação em cordel da obra:
Os três fios de cabelo de ouro do diabo em Cordel”.
 Serviço:
Lançamento do livro e palestra
Oficina Cultural Casa Mário de Andrade
Rua Lopes Chaves, 546 – Barra Funda
(próximo do metrô Mal Deodoro)
01/10/16, das 15 às 17h
http://jornalcentroemfoco.com.br/wp/arquivos/2426

Macunaíma – o herói sem nenhum caráter, em Cordel. Cordelista: Josué G. de Araújo



Para homenagear Mário Andrade, cuja morte completou 70 anos o ano passado, o poeta cordelista Josué Gonçalves de Araújo adaptou para o cordel a obra “Macunaíma – o herói sem nenhum caráter”, uma das mais conhecidas obras do também autor de “Pauliceia Desvairada”, e um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna, de 1922. Josué o fez a propósito de atender o convite da professora Sueli Gonçalves – da Rede Municipal de Ensino -, criadora da APL – Academia Estudantil de Letras, que atua dentro da Academia Paulista de Letras.
A obra de Mário de Andrade vertida para o cordel no ano passado, e que foi publicada pela Editora Areia Dourada, terá lançamento oficial na Oficina Cultural Casa de Mário de Andrade, em 1º de outubro, com palestra sobre Cordelismo e apresentações musicais. Entre a palestra e a sessão de autógrafos haverá um momento de declamação e música, com a participação dos poetas Varneci Nascimento, Cleusa Santo e Carlos Moura.
Na apresentação da obra de Josué Araújo, o escritor e sociólogo Nando Poeta lembra que em suas viagens Brasil afora, para melhor conhecer a cultura de nosso povo, Mário de Andrade esteve no nordeste e se encantou com a vida simples e com o que se produzia artisticamente na região. Ali encantou-se com o cordel, a cantoria e, mesmo, com o cangaceirismo.
“De imediato,a cabeça do idealizador da Pauliceia Desvairada, interagiu com aquela realidade. E ele se dispôs a abrir a sua criação literária deixando-a se influenciar pela produção artística que expressava de forma singular a realidade do povo, as raízes da cultura nordestina”, depreende Nando Poeta do cordel de Josué, que incumbiu-se apresentar:
Nos versos do Futurista,
Poeta Mário de Andrade:
“Ver arte contando história,”
“São glórias desta cidade.”
Quando um povo não tem glória,
Arte é celebridade!
As obras falam por si:
Moda: “Viola quebrada”
Livro: “Lira Paulistana”
Sua obra consagrada,
“Macunaíma, o herói,
Nas telas foi projetada.
Era ainda os anos 1920 e nos ciclos eruditos o cordel era visto como uma literatura de pouco valor, por não agregar o lírico, mas Mário a enxergou diferente. “Para ele foi uma verdadeira descoberta.
Viu no cordel, um gênero literário e passou a beber nessa fonte. Na sua obra O Baile das Quatro Artes publicou um capítulo ‘Romanceiro de Lampião’ retratando o período do cangaceirismo e, o que foi mais sublime, reproduziu trechos da poesia de cordel, que ele retirou dos folhetos coletados durante a viagem, explicando aquele fenômeno histórico, tão desconhecido da maioria da população brasileira”, assim continua Nando Poeta, na apresentação.
Defende o apresentante de Macunaíma em cordel, que Mário de Andrade inspirou-se em um dos folhetos clássicos do cordel brasileiro, de autoria do paraibano Leandro Gomes de Barros, um dos pioneiros desse gênero. “O cordel satírico A Vida de Cancão de Fogo e o seu Testamento foi a fonte em que Mário de Andrade bebeu para construir o protagonista de seu clássico Macunaíma” assegura o escritor apresentante.
O nome Macunaíma,
Ima – “grande”, maku – “mau”,
Bom e mau, covarde e bravo…
Um elemento dual:
Sendo incapaz e capaz,
Faz o bem e faz o mal.
Sobre o autor
Nasceu em 16/11/1950 na cidade de Marabá Paulista – “Pontal do Paranapanema” (SP) -, mas viveu toda a infância e a juventude na cidade vizinha: Mirante do Paranapanema. Aos 18 anos migrou para São Paulo. Foi bancário e atualmente, além de escritor, é diagramador de textos para a Editora Luzeiro e Magazine Gibi. A Editora Luzeiro publicou vários livros de cordel de sua autoria:
O coronel avarento ou o homem que a terra recusouO mistério da pele da novilhaO gato de botasOs dez mandamentosApagando as pegadas em CordelO carroceiro e o burro, o burro esperto e o cavalo burroAs cabaças do Akpalô, e O país Kastoriano contra o império da terra do fogo.
O autor foi premiado no concurso nacional “Mais literatura de Cordel edição 2010” – Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura, com a recriação em cordel da obra:
Os três fios de cabelo de ouro do diabo em Cordel”.
 Serviço:
Lançamento do livro e palestra
Oficina Cultural Casa Mário de Andrade
Rua Lopes Chaves, 546 – Barra Funda
(próximo do metrô Mal Deodoro)
01/10/16, das 15 às 17h
http://jornalcentroemfoco.com.br/wp/arquivos/2426

Macunaíma – o herói sem nenhum caráter, em Cordel. Cordelista: Josué G. de Araújo



Para homenagear Mário Andrade, cuja morte completou 70 anos o ano passado, o poeta cordelista Josué Gonçalves de Araújo adaptou para o cordel a obra “Macunaíma – o herói sem nenhum caráter”, uma das mais conhecidas obras do também autor de “Pauliceia Desvairada”, e um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna, de 1922. Josué o fez a propósito de atender o convite da professora Sueli Gonçalves – da Rede Municipal de Ensino -, criadora da APL – Academia Estudantil de Letras, que atua dentro da Academia Paulista de Letras.
A obra de Mário de Andrade vertida para o cordel no ano passado, e que foi publicada pela Editora Areia Dourada, terá lançamento oficial na Oficina Cultural Casa de Mário de Andrade, em 1º de outubro, com palestra sobre Cordelismo e apresentações musicais. Entre a palestra e a sessão de autógrafos haverá um momento de declamação e música, com a participação dos poetas Varneci Nascimento, Cleusa Santo e Carlos Moura.
Na apresentação da obra de Josué Araújo, o escritor e sociólogo Nando Poeta lembra que em suas viagens Brasil afora, para melhor conhecer a cultura de nosso povo, Mário de Andrade esteve no nordeste e se encantou com a vida simples e com o que se produzia artisticamente na região. Ali encantou-se com o cordel, a cantoria e, mesmo, com o cangaceirismo.
“De imediato,a cabeça do idealizador da Pauliceia Desvairada, interagiu com aquela realidade. E ele se dispôs a abrir a sua criação literária deixando-a se influenciar pela produção artística que expressava de forma singular a realidade do povo, as raízes da cultura nordestina”, depreende Nando Poeta do cordel de Josué, que incumbiu-se apresentar:
Nos versos do Futurista,
Poeta Mário de Andrade:
“Ver arte contando história,”
“São glórias desta cidade.”
Quando um povo não tem glória,
Arte é celebridade!
As obras falam por si:
Moda: “Viola quebrada”
Livro: “Lira Paulistana”
Sua obra consagrada,
“Macunaíma, o herói,
Nas telas foi projetada.
Era ainda os anos 1920 e nos ciclos eruditos o cordel era visto como uma literatura de pouco valor, por não agregar o lírico, mas Mário a enxergou diferente. “Para ele foi uma verdadeira descoberta.
Viu no cordel, um gênero literário e passou a beber nessa fonte. Na sua obra O Baile das Quatro Artes publicou um capítulo ‘Romanceiro de Lampião’ retratando o período do cangaceirismo e, o que foi mais sublime, reproduziu trechos da poesia de cordel, que ele retirou dos folhetos coletados durante a viagem, explicando aquele fenômeno histórico, tão desconhecido da maioria da população brasileira”, assim continua Nando Poeta, na apresentação.
Defende o apresentante de Macunaíma em cordel, que Mário de Andrade inspirou-se em um dos folhetos clássicos do cordel brasileiro, de autoria do paraibano Leandro Gomes de Barros, um dos pioneiros desse gênero. “O cordel satírico A Vida de Cancão de Fogo e o seu Testamento foi a fonte em que Mário de Andrade bebeu para construir o protagonista de seu clássico Macunaíma” assegura o escritor apresentante.
O nome Macunaíma,
Ima – “grande”, maku – “mau”,
Bom e mau, covarde e bravo…
Um elemento dual:
Sendo incapaz e capaz,
Faz o bem e faz o mal.
Sobre o autor
Nasceu em 16/11/1950 na cidade de Marabá Paulista – “Pontal do Paranapanema” (SP) -, mas viveu toda a infância e a juventude na cidade vizinha: Mirante do Paranapanema. Aos 18 anos migrou para São Paulo. Foi bancário e atualmente, além de escritor, é diagramador de textos para a Editora Luzeiro e Magazine Gibi. A Editora Luzeiro publicou vários livros de cordel de sua autoria:
O coronel avarento ou o homem que a terra recusouO mistério da pele da novilhaO gato de botasOs dez mandamentosApagando as pegadas em CordelO carroceiro e o burro, o burro esperto e o cavalo burroAs cabaças do Akpalô, e O país Kastoriano contra o império da terra do fogo.
O autor foi premiado no concurso nacional “Mais literatura de Cordel edição 2010” – Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura, com a recriação em cordel da obra:
Os três fios de cabelo de ouro do diabo em Cordel”.
 Serviço:
Lançamento do livro e palestra
Oficina Cultural Casa Mário de Andrade
Rua Lopes Chaves, 546 – Barra Funda
(próximo do metrô Mal Deodoro)
01/10/16, das 15 às 17h
http://jornalcentroemfoco.com.br/wp/arquivos/2426

Macunaíma – o herói sem nenhum caráter, em Cordel. Cordelista: Josué G. de Araújo


Para homenagear Mário Andrade, cuja morte completou 70 anos o ano passado, o poeta cordelista Josué Gonçalves de Araújo adaptou para o cordel a obra “Macunaíma – o herói sem nenhum caráter”, uma das mais conhecidas obras do também autor de “Pauliceia Desvairada”, e um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna, de 1922. Josué o fez a propósito de atender o convite da professora Sueli Gonçalves – da Rede Municipal de Ensino -, criadora da APL – Academia Estudantil de Letras, que atua dentro da Academia Paulista de Letras.
A obra de Mário de Andrade vertida para o cordel no ano passado, e que foi publicada pela Editora Areia Dourada, terá lançamento oficial na Oficina Cultural Casa de Mário de Andrade, em 1º de outubro, com palestra sobre Cordelismo e apresentações musicais. Entre a palestra e a sessão de autógrafos haverá um momento de declamação e música, com a participação dos poetas Varneci Nascimento, Cleusa Santo e Carlos Moura.
Na apresentação da obra de Josué Araújo, o escritor e sociólogo Nando Poeta lembra que em suas viagens Brasil afora, para melhor conhecer a cultura de nosso povo, Mário de Andrade esteve no nordeste e se encantou com a vida simples e com o que se produzia artisticamente na região. Ali encantou-se com o cordel, a cantoria e, mesmo, com o cangaceirismo.
“De imediato,a cabeça do idealizador da Pauliceia Desvairada, interagiu com aquela realidade. E ele se dispôs a abrir a sua criação literária deixando-a se influenciar pela produção artística que expressava de forma singular a realidade do povo, as raízes da cultura nordestina”, depreende Nando Poeta do cordel de Josué, que incumbiu-se apresentar:
Nos versos do Futurista,
Poeta Mário de Andrade:
“Ver arte contando história,”
“São glórias desta cidade.”
Quando um povo não tem glória,
Arte é celebridade!
As obras falam por si:
Moda: “Viola quebrada”
Livro: “Lira Paulistana”
Sua obra consagrada,
“Macunaíma, o herói,
Nas telas foi projetada.
Era ainda os anos 1920 e nos ciclos eruditos o cordel era visto como uma literatura de pouco valor, por não agregar o lírico, mas Mário a enxergou diferente. “Para ele foi uma verdadeira descoberta.
Viu no cordel, um gênero literário e passou a beber nessa fonte. Na sua obra O Baile das Quatro Artes publicou um capítulo ‘Romanceiro de Lampião’ retratando o período do cangaceirismo e, o que foi mais sublime, reproduziu trechos da poesia de cordel, que ele retirou dos folhetos coletados durante a viagem, explicando aquele fenômeno histórico, tão desconhecido da maioria da população brasileira”, assim continua Nando Poeta, na apresentação.
Defende o apresentante de Macunaíma em cordel, que Mário de Andrade inspirou-se em um dos folhetos clássicos do cordel brasileiro, de autoria do paraibano Leandro Gomes de Barros, um dos pioneiros desse gênero. “O cordel satírico A Vida de Cancão de Fogo e o seu Testamento foi a fonte em que Mário de Andrade bebeu para construir o protagonista de seu clássico Macunaíma” assegura o escritor apresentante.
O nome Macunaíma,
Ima – “grande”, maku – “mau”,
Bom e mau, covarde e bravo…
Um elemento dual:
Sendo incapaz e capaz,
Faz o bem e faz o mal.
Sobre o autor
Nasceu em 16/11/1950 na cidade de Marabá Paulista – “Pontal do Paranapanema” (SP) -, mas viveu toda a infância e a juventude na cidade vizinha: Mirante do Paranapanema. Aos 18 anos migrou para São Paulo. Foi bancário e atualmente, além de escritor, é diagramador de textos para a Editora Luzeiro e Magazine Gibi. A Editora Luzeiro publicou vários livros de cordel de sua autoria:
O coronel avarento ou o homem que a terra recusouO mistério da pele da novilhaO gato de botasOs dez mandamentosApagando as pegadas em CordelO carroceiro e o burro, o burro esperto e o cavalo burroAs cabaças do Akpalô, e O país Kastoriano contra o império da terra do fogo.
O autor foi premiado no concurso nacional “Mais literatura de Cordel edição 2010” – Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura, com a recriação em cordel da obra:
Os três fios de cabelo de ouro do diabo em Cordel”.
 Serviço:
Lançamento do livro e palestra
Oficina Cultural Casa Mário de Andrade
Rua Lopes Chaves, 546 – Barra Funda
(próximo do metrô Mal Deodoro)
01/10/16, das 15 às 17h
http://jornalcentroemfoco.com.br/wp/arquivos/2426

Minha lista de blogs preferidos